Connect with us

Notícias

Os EUA poderiam aprender muito com a forma como o Reino Unido está elaborando políticas de DEI para o capital de risco.

Publicado

on

O Comitê Seleto do Tesouro do Reino Unido divulgou no mês passado um relatório sobre a diversidade – ou a falta dela – do ecossistema de empreendimentos do país. O relatório constatou que os fundadores negros recebem menos de 0,4% de todo o capital de risco, e as fundadoras mulheres recebem cerca de 2%.

Essas estatísticas desanimadoras foram consideradas “inaceitáveis” no relatório. As empresas de capital de risco são esmagadoramente dominadas por homens brancos, e os fundos de capital de risco são ainda mais não representativos da população mais ampla do Reino Unido em termos de gênero e etnia. Embora tenha havido alguma melhora, isso está acontecendo de forma muito lenta, e a mudança rápida deve ser vista como uma prioridade pelo governo e pela indústria.

E não é apenas no Reino Unido. Nos Estados Unidos, o financiamento para fundadores negros no primeiro semestre deste ano caiu 40% em relação ao ano anterior. Dos 75 bilhões de dólares investidos nos primeiros seis meses de 2023, apenas 565 milhões foram levantados por fundadores negros. E as mulheres nos Estados Unidos consistentemente levantam apenas 2% dos fundos alocados em qualquer ano. Empresas e investidores têm adotado apenas algumas medidas para criar um cenário mais equitativo, mas incentivos financeiros e uma pressão do governo poderiam ajudá-los a ir mais longe.

Brandon Brooks, sócio-fundador da Overlooked Ventures, afirmou que o capital de risco já está na mente de muitos legisladores em Washington. Ele foi convocado para uma audiência em abril para discutir o cenário de capital de risco nos Estados Unidos. Senadores se interessaram pelo setor após o colapso do Silicon Valley Bank em março, buscando encontrar mais formas de impor regulamentação. Durante a audiência, alguns senadores tiveram problemas com a falta de financiamento e oportunidades para seus próprios eleitores. “Agora que isso foi trazido à atenção deles de uma maneira muito pública, eles vão começar a agir”, afirmou Brooks sobre o interesse crescente dos formuladores de políticas no setor. “Agora podemos usar o relatório do Reino Unido como um guia para dizer: ‘vamos fazer algo semelhante nos Estados Unidos'”.

Ladi Greenstreet, CEO da Diversity VC, foi um dos muitos convocados pelo Comitê Seleto do Tesouro para compartilhar suas experiências no ecossistema de empreendimentos do Reino Unido. O Tesouro já respondeu ao relatório, afirmando que consideraria as sugestões do comitê selecionado. “Mas, no final das contas, é política, então eu entendo que muitas outras coisas devem acontecer para que isso seja implementado”, disse Greenstreet ao TechCrunch+.

Em resumo, a falta de diversidade no ecossistema de empreendimentos tanto no Reino Unido quanto nos Estados Unidos é um problema sério que precisa ser abordado. Os fundadores negros e as fundadoras mulheres enfrentam desafios significativos para obter financiamento e oportunidades em comparação com seus colegas brancos e do sexo masculino. Embora tenha havido algumas melhorias, a mudança está acontecendo muito devagar. É essencial que o governo e a indústria tomem medidas concretas para promover uma maior diversidade e equidade no setor de capital de risco. O relatório do Comitê Seleto do Tesouro do Reino Unido serve como um guia para ações futuras nos Estados Unidos, o que pode ajudar a impulsionar uma mudança significativa. No entanto, é importante lembrar que a implementação dessas mudanças dependerá de fatores políticos e outras discussões.