Connect with us

Notícias

AFP processa Musk’s X por recusar entrar em negociações de pagamento por reutilização de notícias.

Publicado

on

O X, anteriormente conhecido como Twitter e atualmente de propriedade de Elon Musk, está enfrentando uma ação legal por violação de direitos autorais na França. A agência de notícias Agence France-Presse (AFP) anunciou que está processando a plataforma de mídia social devido à sua recusa em entrar em discussões sobre a remuneração pela compartilhamento de seu conteúdo jornalístico no X.

A AFP está buscando uma liminar urgente de um tribunal em Paris para compelir o X a fornecer as informações necessárias sobre a reutilização de seu conteúdo, a fim de calcular o valor devido de acordo com as leis de direitos vizinhos da França.

A agência de notícias expressou preocupação com a recusa clara do Twitter (agora rebrandeado como ‘X’) em discutir a implementação dos direitos vizinhos para a imprensa. Esses direitos foram estabelecidos para permitir que agências de notícias e editores sejam remunerados por plataformas digitais que retêm a maior parte do valor gerado pela distribuição de conteúdo jornalístico.

Hoje, a AFP anuncia que entrou com uma ação legal para obter uma liminar urgente perante o Tribunal Judicial de Paris. Essa medida visa compelir o Twitter, de acordo com a lei, a fornecer todos os elementos necessários para avaliar a remuneração devida à AFP de acordo com a legislação de direitos vizinhos.

A AFP reiterou seu compromisso com a adoção dos direitos vizinhos para a imprensa e afirmou que continuará usando os meios legais apropriados com cada plataforma relevante para garantir a distribuição justa do valor gerado pelo compartilhamento de conteúdo jornalístico.

A extensão da lei de direitos autorais para cobrir excertos de conteúdo jornalístico compartilhados em plataformas digitais foi estabelecida pela União Europeia em 2019 e transposta para a lei francesa em julho do mesmo ano. No entanto, aparentemente, Musk nunca recebeu esse memorando. (Até porque, na época, ele estava provavelmente mais focado em construir carros elétricos, lançar foguetes ao espaço, cavar grandes buracos no chão e provocar pessoas no Twitter…)

A extensão da lei de direitos autorais da UE abrange todos os excertos de notícias compartilhados em plataformas digitais, como trechos de artigos. Ela também inclui outros conteúdos produzidos por editores de notícias, como fotografias, vídeos e infográficos. O conteúdo dos editores de notícias fica protegido por dois anos após sua publicação.

Em resposta às notícias da ação judicial da AFP compartilhadas no X, Elon Musk escreveu: “Isso é bizarro. Eles querem que paguemos *a eles* pelo tráfego para o site deles, onde eles ganham receita publicitária e nós não!?”

A gigante de busca Google já enfrentou problemas com a legislação de direitos vizinhos da França. A autoridade de defesa da concorrência nacional interveio após reclamações de vários editores (incluindo a AFP) de que o Google não estava negociando de forma justa com editores de notícias sobre pagamentos pelo reuso de seus conteúdos. Essa investigação resultou em uma multa de mais de meio bilhão de dólares aplicada ao Google pouco mais de dois anos atrás. O Google posteriormente fechou um acordo com a AFP e outros editores para pagar pelo reuso de seu conteúdo.

No caso do X, parece menos provável que a reclamação de violação da lei de direitos vizinhos desencadeie uma intervenção da autoridade de defesa da concorrência, considerando que a plataforma de mídia social de propriedade de Musk não tem uma posição dominante nos serviços de busca em geral, nem mesmo nas redes sociais, onde várias plataformas concorrentes, como o Facebook, Instagram e TikTok, possuem muito mais usuários.

O Google também tentou contornar diretamente a obrigação da lei de negociar termos de licenciamento com editores ao anunciar que não exibiria mais nenhum trecho de notícias em produtos como o Google Search e Google News, a menos que obtivesse o reuso gratuito dos conteúdos. Essa tentativa unilateral de fugir do efeito da lei gerou uma resposta rápida da autoridade de defesa da concorrência, que suspeitou de abuso de posição dominante, incluindo a emissão de uma ordem provisória proibindo o Google de parar de exibir notícias de editores e exigindo que entrasse em discussões sobre remuneração.