Connect with us

Notícias

AI da Moonware permite que equipes de solo de aeroportos abandonem os walkie-talkies

Publicado

on

O atual estado das operações em solo de aviões está precisando de melhorias. Segundo os fundadores da empresa Moonware, sediada em Los Angeles, todo o processo ainda é manual e pouco coordenado. A comunicação é realizada por rádio walkie talkie e os documentos são em papel. Encontrar as pessoas e os equipamentos adequados para atender os voos em tempo requer um esforço de última hora. Em busca de soluções, a Moonware desenvolveu um sistema operacional impulsionado pela inteligência artificial (IA) chamado HALO, responsável por coordenar as operações em solo de forma algorítmica e em tempo real.

O software HALO considera variáveis como distância, horários de partida e chegada e disponibilidade de equipe antes de despachar automaticamente a tripulação e os equipamentos necessários. A solução utiliza três fluxos principais de dados: informações de voos em tempo real, escalas e alocação de tarefas da equipe e posições no solo e movimentação tanto da equipe quanto dos veículos. Esse último fluxo de dados é exclusivo da Moonware e utiliza telefones celulares de trabalho e rastreadores GPS de baixo custo para registrar as localizações precisas de todas as partes envolvidas nas operações em solo.

A Moonware recebeu recentemente um investimento de pré-semente de US$ 2,5 milhões liderado pela empresa de capital de risco Third Prime, com a participação da Zero Infinity Partners, The House Fund, Lorimer Ventures, Plug and Play e vários investidores-anjo. Essa solução chamou a atenção de investidores devido ao potencial de redução de atrasos, congestionamentos no aeroporto e tempo de turnaround das aeronaves.

A visão da Moonware para o futuro das operações em solo não se limita ao software. A empresa tem ambições mais amplas de introduzir a autonomia em todos os aspectos das operações em solo, desde os veículos que transportam bagagens até os tratores de pushback que empurram as aeronaves até a cabeceira da pista.

No entanto, a implementação da autonomia ainda está por vir. Primeiro, a Moonware planeja lançar o sistema operacional com companhias aéreas comerciais, começando por aquelas que possuem suas próprias equipes de operações em solo, como o hub da Delta Airlines no aeroporto de Atlanta ou a United Airlines em São Francisco. Felizmente, as áreas onde ocorrem as operações em solo não estão sujeitas a uma regulamentação tão rigorosa quanto as companhias aéreas, o que significa que a Moonware pode lançar e, esperançosamente, expandir rapidamente.

O primeiro lançamento pago da empresa será com uma importante companhia aérea sediada na Europa, que ocorrerá na América do Norte ainda neste outono. O HALO será utilizado para atender cerca de dez voos por dia, com a expectativa de chegar a 15-20 voos por dia em um período de 4 a 6 meses.

A Moonware espera expandir verticalmente para os principais aeroportos dos hubs aéreos, pois acredita que o HALO terá um efeito de rede à medida que mais hubs adotarem a solução. A economia de tempo se acumularia, permitindo que as companhias aéreas adicionem mais voos diários sem a necessidade de adquirir novas aeronaves.

A empresa também está em conversas com a Força Aérea dos Estados Unidos, que enfrenta desafios semelhantes na coordenação das operações em solo. A solução oferecida pela Moonware seria de grande ajuda para a Força Aérea, considerando o método ultrapassado de coordenação utilizado atualmente.

A empresa planeja introduzir a autonomia nas operações em solo em algum momento posterior desta década, o que será especialmente útil com o advento de novas formas de transporte aéreo, como aeronaves eVTOL e até mesmo aviões hipersônicos comerciais. A Moonware vê a encomenda de US$ 1 bilhão realizada pela United Airlines à desenvolvedora de eVTOL Archer Aviation como um sinal de que aeronaves elétricas serão integradas aos aeroportos comerciais.

Com o aumento do número de formas de transporte aéreo nos aeroportos, o uso de walkie talkies e agendas em papel não será mais suficiente. A Moonware acredita que os aeroportos se tornarão centros que unirão todos esses diferentes modos de transporte aéreo, e o HALO será responsável por gerenciar todas as necessidades de atendimento às aeronaves de forma compatível e eficiente.